CT-MON Blog

Dynatrace & Microsoft HoloLens: The Future of Collaboration

Earlier this month at Dynatrace Perform 2018, we shared our vision of how you could interact with Dynatrace in the future. As we move towards NoOps, the traditional ways to interact with monitoring software in NOCs and war rooms will go away.

The NOC is Dead

As a matter of fact, last year when we moved into our new Boston office, we shut down our NOC that we used for monitoring. The space previously reserved for the NOC is now being used as a social lounge with table tennis, air hockey and pool tables.

Most of our monitoring is now fully automated using Dynatrace and auto-remediation. We have Amazon Echos and Dynatrace UFOs everywhere so that people can ask questions on the fly to quickly learn how their apps are performing.

What about a digital war room?

In some cases, however, human interaction will be required. For example, when auto-remediation does not work, this will require the team to conduct a deeper investigation to determine what the problem may be

At first, we thought that building a big “war room” with lots of screens on every wall would be a fun techie thing to do, but now we believe such things are not modern, but rather relics of the past. Creating a virtual war room would just be like creating a new relic right along with it.

Here are the conceptual problems we had with a digital war room:

  • Why bring people into an actual room to work on a problem, rather than bring the problem to them?
  • These rooms are very, very expensive. The screens plus the computer hardware alone could easily cost >$50K.
  • Problems happen after hours, so people will need to access the data from wherever they may be. Plus, IT teams are often spread across multiple time zones. Therefore, a virtual solution is the solution.

Augmented Reality is the Future of Collaboration

We looked at numerous approaches that could support our virtual collaboration needs and determined augmented reality was the way to go, we set out to find the best way to implement it. Pretty quickly we decided Microsoft HoloLens would be our AR device of choice.

Getting back to the potential issues we had with war room…HoloLens solves all of them:

  • we can use the HoloLens pretty much everywhere (with WIFI) so you could easily get it to the team working on the problem at their desks;
  • A HoloLens costs around $5K, so even if you’re buying several for your team, the total cost is still significantly less than building a high-end digital war room.
  • It can be used at home and to create a collaboration space with your colleagues.

All of that said, we went ahead and ordered some and started development.

What Does Augmented Reality for Monitoring Look Like?

So how does it feel to work in Augmented Reality with Dynatrace. As the HoloLens provides a voice interface the first step was to build a Microsoft Cortana integration for Davis to have a conversational interface.

So, we had voice, but no visualisation (yet). Our first idea was to bring the Visual Resolution path of Dynatrace into a 3D model. As stated above, the most likely use case for AR is when a problem cannot be automatically resolved. Visualizing this problem without the boundaries of a two-dimensional screen sounded very appealing, so we built a visual resolution path that you can interact with in augmented reality.

As we built this, we realized that having some “old school” dashboard tiles to pin was also proving helpful, so we built a set of tiles that you can pin everywhere and anywhere. First, we thought this might not be the most amazing thing in the world, but trust me, once you pin charts out of a Dynatrace Smartscape to any place in a room where people are working, you’ll never want to go back to a monitor.

As Dynatrace’s AI automatically knows about all this information, imagine these virtual information walls being built automatically for you. Long story short, this supposedly boring feature turned into something I’ll never want to miss again.

As you know, Dynatrace is committed to ensuring the best performance for the user, so having a 3D visualisation for user experience was an obvious thing to build. Unlike some people, we believe the world is not flat, so we built a 3D model of the globe visualising user experience in real time – this allows the real-time user interaction. We will develop more 3D interaction models going forward.

Last but not least we needed to solve yet another problem: how to visualize personally relevant data in a virtual environment. As all kids of our generation, we played video games when we were young, so the idea of a cockpit came pretty naturally to us. The cockpit or PIP (personal information panel) feels totally natural to you. You carry all your tools and notes around with you without having to actually carry anything.

I really like the idea of having my context-aware GIT log with me all the time.

All in all, we built all major components to enable a full problem resolution cycle entirely in Augmented Reality, that you can work on in a group wherever you want.

Seeing is Believing

By now, I am sure you want to see Davis for HoloLens in action. Below you find a short walk through of the major capabilities of the first version. As you can see this demo was recorded in one of our Linz developer offices. (Which proves every office can become a virtual collaboration space in minutes.)

Built on Dynatrace APIs

You may think this all sounds very futuristic. The reality, however, is that everything we do in this demo is based on actual data and API integration with the Dynatrace AI. Technically you can connect Davis for Augmented Reality with any Dynatrace tenant and see your environment in action.

Is Davis for HoloLens ready for prime time?

We believe that augmented reality will be the future of interaction with monitoring tools. At the same time, we know that there is still some way to go until it will be ready for the mass market of our 8000+ customers. Obviously, if we build something it has to scale for our entire customer base. That is why we currently make it available to a limited amount of Dynatrace users which are part of our innovator’s program.

As we have proven with the Davis conversational interface, we can turn our – as some may call them – “crazy ideas” into marketable products in a year or two. So stay tuned …

 

Alois Reitbauer

Alois is Chief Technology Strategist of Dynatrace. He is fanatic about monitoring, DevOps and application performance. He spent most of his professional career in building monitoring tools and speeding up applications. He is a regular conference speaker, blogger, book author and Sushi maniac.


Fonte: Dynatrace & Microsoft HoloLens: The Future of Collaboration | Dynatrace blog

Novo recorde mundial: transmissão óptica a 400 Gb/s realizada pelo CPqD alcança 370 km, sem repetição  

A instalação de elementos ativos para amplificação de sinais é um dos principais obstáculos à implantação de redes ópticas de comunicação em locais de difícil acesso – como a Região Amazônica ou uma plataforma de extração de petróleo, por exemplo. Por isso, o CPqD vem investindo no desenvolvimento de sistemas ópticos sem repetição, que dispensam a necessidade de elementos ativos na rede. E esse trabalho acaba de alcançar um marco importante: o recorde mundial em transmissão coerente a 400 Gb/s sem repetição, por meio de um link óptico de 370 km.

O resultado dessa transmissão, que utilizou dez supercanais ópticos de 400 Gb/s, será publicado no IEEE Photonics Technology Letters, em um artigo intitulado Unrepeatered Transmission of 10x400G over 370 km via Amplification Map Optimization (Transmissão sem repetição de 10x400G em 370 km via Otimização de Mapa de Amplificação).

“Esse trabalho explorou técnicas avançadas de otimização do link óptico e dos mapas de amplificação óptica (foram utilizados amplificadores de bombeio remoto, EDFA e híbrido)”, explica Jacklyn Dias Reis, responsável pela área de Tecnologias Ópticas do CPqD e um dos autores do artigo. Além disso, foram utilizados algoritmos de processamento digital de sinais para compensação de não linearidades e técnicas de codificação de canal para correção de erro. “Com isso, conseguimos aumentar a distância da transmissão para 370 km, o que é um fator relevante em sistemas de missão crítica, em que a instalação de elementos ativos para amplificação óptica é muito difícil”, acrescenta.

Os projetos desenvolvidos pela área de Tecnologias Ópticas do CPqD contam com o suporte de vários agentes e fundos de fomento disponíveis no país, com destaque para o Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (FUNTTEL) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Fonte: https://www.cpqd.com.br/noticias/novo-recorde-mundial-transmissao-optica-400-gbs-realizada-pelo-cpqd-alcanca-370-km-sem-repeticao/

Nota originalmente publicada em:
http://www.jornaldaciencia.org.br/edicoes/?url=http://jcnoticias.jornaldaciencia.org.br/4-conexao-de-alto-desempenho-entre-eua-e-brasil-vai-intensificar-cooperacao-cientifica/

Conexão de alto desempenho entre EUA e Brasil vai intensificar cooperação científica

“Com essa capacidade internacional de 100 Gb/s, estaremos preparados para a demanda que se afigura para os próximos três anos”, disse Eduardo Grizendi, da RNP. Em 2017, outros seis links com a mesma capacidade entre Miami e a América Latina devem entrar em operação

Duas novas conexões de 100 Gb/s entre São Paulo e Miami foram ativadas na última quinta-feira (7), ampliando a saída internacional da rede acadêmica brasileira, a Ipê. As novas conexões, em operação por meio de cabos submarinos nos oceanos Atlântico e Pacífico, fazem parte do projeto Amlight Express and Protect, financiado pela National Science Foundation (NSF), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), organização social ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O consórcio Amlight gerencia as conexões entre Estados Unidos e América Latina para ensino e pesquisa.

Em 2017, outros seis links com a mesma capacidade entre Miami e a América Latina devem entrar em operação, informou o engenheiro de redes da Universidade Internacional da Flórida (FIU, em inglês) Jeronimo Bezerra. Segundo ele, as conexões internacionais de 100 Gb/s estabelecem novos parâmetros em conectividade de alto desempenho nas Américas e possibilita oportunidades de colaboração científica.

Uma das iniciativas beneficiadas será o projeto internacional de Astronomia Large Synoptic Survey Telescope (LSST), que conta com a participação de 50 pesquisadores brasileiros. O LSST é um telescópio em construção em Cerro Pachón, no Chile, previsto para entrar em operação em 2022 e que terá capacidade para fazer o mapeamento de quase metade do céu por um período de dez anos.

Para que a capacidade de 100 Gb/s seja utilizada plenamente pela comunidade acadêmica, a RNP também trabalha para elevar a capacidade do seu backbone nacional, que atende universidades e institutos de pesquisa em todo o País. Apenas em São Paulo, o canal poderá beneficiar as instituições conectadas à Ansp (rede acadêmica de São Paulo), assim como as interligadas à RNP, responsáveis por mais de 40% da produção científica nacional.

“Com essa capacidade internacional de 100 Gb/s, estaremos preparados para a demanda que se afigura para os próximos três anos”, disse o diretor de Engenharia e Operações da RNP, Eduardo Grizendi.

Um dos principais desafios para a ativação dessa infraestrutura de alto desempenho foi a limpeza dos cabos de fibra óptica nas conexões terrestres, uma vez que qualquer resquício de sujeira ou oleosidade na interface entre as fibras pode derreter com o calor propagado pelo tráfego de dados, danificando a integridade física da rede. “A sujeira pode não só estragar o sinal, como pode fazer com que a fibra queime”, explicou Jeronimo.

Outro desafio será o monitoramento do tráfego em altíssima velocidade, que dependerá de recursos computacionais complexos. Um desses recursos habilitados na conexão internacional entre Brasil e Estados Unidos é a tecnologia de Redes Definidas por Software (SDN, em inglês), que permite mais flexibilidade, robustez e possibilidade de programar a operação do tráfego.

MCTIC

No último dia 29 de junho, o Comitê Técnico de Monitoramento da RNP (CT-Mon) realizou reunião temática sobre capacitação e divulgação em medições.

O grupo discutiu sobre possíveis ações e iniciativas, incluindo trilhas, curso piloto e minicurso sobre os assuntos: capacitação e divulgação sobre medições.

Mais detalhes estão disponíveis nas notas da reunião do dia 29/06/2016.

No último dia 27 de junho o Comitê Técnico de Monitoramento da RNP (CT-Mon) realizou reunião temática sobre IoT e Medições.

O grupo resolveu, de forma similar ao que ficou decidido na conversa sobre o tema de "Big Data e Medições", de criar um pequeno repositório com algumas informações sobre o tema "IoT e Medições", tais como bons surveys, iniciativas ou grandes projetos no tema, esperando ter um conjunto de boas fontes de informação no tema de forma compartilhada.

O CT-Mon incentiva quem tiver indicações ou dicas de bons surveys, iniciativas ou grandes projetos no tema, por favor, envie ao coordenador Artur Ziviani ou ao Leobino um ponteiro para ser adicionado e se consolidar o repositório para compartilhamento com todos, sobretudo, ponteiros para informações ligadas às 4 perspectivas distintas (até o momento) para as questões que foram mapeadas na reunião: 

  • Campi Inteligente;
  • Expansão de Ambientes de experimentação para contemplar IoT e suas particularidades;
  • Prospecção das iniciativas de soluções industriais em IoT (ex. Dell, Samsung, Huawei, etc);
  • Monitoramento de (bom) funcionamento dos sensores: seja parte operacional, seja de segurança

Mais detalhes estão disponíveis nas notas da reunião.